11 dezembro 2005

Passagens

Cruzo uma porta
piso no novo
Apesar de tudo
o passado ficou muito justo pra mim
Espero uma banda completa passar
com milhares de soldados marchando pelas avenidas de minha insanidade
como um ziper que aos poucos fecha o tentador e ilusório mundo do "se"
O inverno em minha vida aqueceu

Fecho uma era
Fecho uma cratera cheia de amargura, ressentimentos e expectativas vazias
como noivas deixadas num altar,
como vidas amareladas,
como velas não acendidas,
como promessas nunca cumpridas
como promessas que se tornaram dívidas
Fecho essa conta pela qual sempre sangrei

Deixo uma âncora no mar
Deixo um peso no ar
Deixo uma nau sem rumo vagar
Deixo a chantagem
Deixo a loucura
Deixo a empafia
Deixo o menino de quem não sou pai...nem mãe

Hoje é dia de luto
Hoje tudo é branco
Hoje eu volto ao trabalho de parto
e felizmente busco ressucitar pois já estou farto de renascer
Hoje eu me volto para o dia
pois a missão de resgate foi abortada na noite passada

Por onde andei por tanto tempo?

20/10/2005

Um comentário:

Aurora Zeitune Nigri disse...

Olá
Adorei esse texto, que cada vez que entro no blog tenho que ler novamente. Até já sei quase de cór, ou melhor de coração!
Diz muito das "passagens" que tive que enfrentar em minha vida ... e é essa coisa de pisar no novo mesmo e enfrentar as mudanças... É muito lindo... é intenso... é espantoso...é dificil.
Parbéns pelos outros textos também.
Mas esse é tudo!