23 fevereiro 2006

Retrocesso (sem pontas nem pontos)


Sonhos desagregados e a realidade insana e pagã
Homens desfigurados vivendo a utopia de ser o amanhã

E os mundos e os curdos e os mudos
e os tudos e nadas
e as fadas e as cartas trocadas nos jogos
nas idas mais voltas nas vidas revoltas
e o velho mais novo e a gente mais povo
e o povo que o diga cansado de ovo
Que ovo
Colombo quilombo que assombro
eu me encontro sozinho calado no ninho
pensando chorando gritando baixinho
mas como se é alto o barulho de um grito
o efeito do mito
e é bom que se diga que eu sempre critico
eu te sigo e te minto eu te agrido e te imito
e retorna ao umbigo a criança a mãe
a aliança o noivado o namoro
algum tom de esperança e com som de vingança e rancor

Nos cantos dos quartos os santos
nas vozes os prantos nos cortes as cores
nas mortes as dores na fronte os temores
no riso o que fores sem por sem tirar

Na busca a promessa na estrada o castigo
nos olhos o fogo na alma a ferida
no sexo a medida do pouco que vales
no corpo o reflexo dos próprios pesares

No peito o tormento na boca um lamento
no sono o teu rosto no colo o teu gosto
no tempo um remédio na vida só o tédio

Saudade sentença de vida
sem mão sem ferida sem pão
sem comida sem chão sem saída
nem vão
nem tem vindo ilusão

De cama já basta a dormida na noite passada
De chama já basta o teu nome que eu chamo pra nada
De lama so resta o futuro
e há quem diga que eu jure que vive num muro
E se vive eu te juro
eu não sei se é seguro

O fato é que a gente não paga
E de longe a rotina é que faz nossa estrada

E as Anas sensatas e as Bias beatas
mas mesmo assim chatas
as damas
as damas
que o tempo consome num par de semanas

Sonhos que devem vingar
Bocas que devem tocar
Vidas que eu tento criar
nos lábios que eu tanto desejo e não ouso beijar
Mas sei que fui eu quem ficou
Me sinto atrasado
pois fui passageiro de um trem que jamais passou
Estou arrasado
aquele tempo que mal começara acabou

Um comentário:

'Thought & Humor' disse...

.

If I could speak in any
language in heaven or
on earth but didn't love
others, I would only be
making meaningless noise
like a loud gong or a
clanging cymbal. If I
had the gift of prophecy,
and if I knew all the
mysteries of the future
and knew everything
about everything, but
didn't love others, what
good would I be? And
if I had the gift of faith
so that I could speak
to a mountain and make
it move, without love
I would be no good to
anybody. If I gave
everything I have to
the poor and even
sacrificed my body,
I could boast about it;
but if I didn't love others,
I would be of no value
whatsoever. Love is
patient and kind. Love
is not jealous or boastful
or proud or rude. Love
does not demand its
own way. Love is not
irritable, and it keeps
no record of when it
has been wronged.
It is never glad about
injustice but rejoices
whenever the truth
wins out. Love never
gives up, never loses
faith, is always hopeful,
and endures through
every circumstance.

May You Always
Experience This
Kind Of Love,
Dr. Howdy